Tags

, ,

“Não pode haver jogo sem fair play. O principal objetivo da vida não é a vitória, mas a luta”.
O Barão de Coubertin, idealizador dos jogos olímpicos, sabia da importância da ética na obtenção de resultados. Não só no esporte, mas na vida.
Em tempos de disputa, podemos ser levados a esquecer que os fins NÃO justificam os meios. Na sede de vencer, contrariamos principios básicos da ética. Um deles é a VERDADE. Mentir é jogar sujo.
Ao observar o número de fake news compartilhadas nas redes sociais nessas eleições, fica bem claro que os brasileiros não apreciam o fair play (ou pelo menos não se preocupam com ele).
Estamos tão focados em combater a corrupção partidária que não nos importamos em corromper nosso discurso. E aqui não estou falando de sofismas, ou mentiras travestidas de verdade, apenas. Estou falando de mentiras óbvias, de manipulação de imagens, áudios e vídeos, de falsidade “da grossa”. Tanta gente que acredita ser “do bem” e anti-corrupção, mas que não se dá ao trabalho de checar as informações que repassa.
E porque isso é importante? Bom, se não acreditamos que o meio pelo qual vencemos importa, porque nos preocupamos com fraudes nas licitações? Porque nos escandalizamos com as propinas? Se vendemos espaço em nossos grupos e timelines à mentira, trocando a verdade por votos a favor do nosso candidato, damos legitimidade ao fisiologismo praticado na política.
Então, porque não gostamos de fair play? Porque não apreciamos a derrota. Fazemos qualquer coisa para vencer. Nosso pavor de perder é maior que nosso amor à verdade. E constatar isso é triste, muito triste. Porque não existe democracia sem derrota.
Ser democrático é saber perder. É entender que a hegemonia é, além de impossível, desnecessária. E é também saber vencer. Ao contrário do que se possa pensar, a democracia não é o sistema onde a maioria oprime a minoria, que tem que se resignar e engolir suas convicções. Não é preciso destruir o que nos é contraditório. A democracia implica em espaço para discordar. Por isso, não pode haver democracia sem fair play.